terça-feira, 30 de maio de 2017

Cabeças, ego, macarrão e faxina.


Trocando pessoas por livros e filmes facilmente. Com medo de estar sendo sugada por um furacão genético e cultural para ser um eremita conformado e confortavelmente instalado no quadrado que lhe compete a existência. E se paro prá pensar na boa sorte de se ter um quadrado para minha própria loucura, no meio dessa loucura simbiótica generalizada, me sinto feliz. Privilegiada. Direitos respeitados. Não tenho televisão em casa há pelo menos 13 anos e taí uma falta boa que não nos faz. Já temos tantas regras cagadas por outros o tempo todo, como se fosse possível pasteurizar a diversidade do ser e do existir numa grande massona de pizza mussarela e passar aquele rolo compressor com cheiro de alho nas nossas cabeças. Não rola. Cabeças são duras. Algumas de miolo mole e casca dura, casca mole de miolo duro, pensantes, criantes, aprendentes, ensinantes, inventantes. Não vai ter rolo. Não rola. Aqui dentro as regras são outras. E volta logo prá esse mar, oferenda!! Porque tenho sentido que nossa liberdade tá ameaçada. Gosto de caminhar à noite, mas já não me recordo em qual noite não fui abordada por policiais de foma intimidadora. Policiais com metralhadoras nas ruas fazendo o terror e se vc se assusta e diz: "Meu Deus moço, o que tá acontecendo?", então vc ouve um "operação padrão" como resposta. Não, não pessoal. Tem muita coisa mudando. Atenção!! Você dirige sempre com uma sensação de que o carro detrás está no seu banco do carona, numa pressão e violência absurda às vezes prá chegar logo no sinal vermelho, onde todos vão ter que parar. Não sei se eu é que tô ficando um pouco mais fora da casinha ou se essas coisas estão realmente se tornando comuns. Isso não pode ter virado o padrão sem a gente nem perceber. Tempos duros esses. E não sombrios pelos outros, mas porque todo o podre que cada um tem ta flutuando, à vista, sem maquiagem. E é difícil enxergar sem luz. Parece que anda tudo meio poluído, destorcido, nublado. E colocar luz em coisa feia e tosca dói. Finge de cego o olho. Analisa por outras perspectivas para deixar o ego bem aninhadinho, no colinho da mamãe urso. Por medo. Medo de não andar na linha. Medo de sair do script. Medo de ser livre e não saber o que fazer com a liberdade. Medo de ter que traçar o próprio roteiro. Medo de sair da inércia. Medo de quebrar as identidades que escravizam, aprisionam e que tanto atrapalham os entendimentos. Medo de mudar. Medo de sair de casa a noite prá ver a Lua. Medo de descer no gramado com o cachorro. Medo dos "cidadãos de bem" do lado de fora. Medo dos filhos se decepcionarem com o mundo cedo demais, quando são assaltados ou assediados numa esquina qualquer. Medo de olhar pro podre diluído num molho branco de macarrão cheio de larva de mosca doente com cheiro de iogurte estragado. Medo de não chegar água prá um banho antes de sair prá trabalhar. São esses os tempos. Parece que a medida do ego precisa se ajustar ao seu devido tamanho e, enquanto toda a sujeira não for lavada que se faça estado de calamidade humana. Que nenhum ser de telencéfalo desenvolvido saia de seu quadrado enquanto não terminar a faxina. E que o google possa captar as intenções das pesquisas e ser um sábio guru em coisas toscas e nebulosas para ajudar cada um em suas egotrips.

Queria uma passagem pro Tibet, porque la foi o lugar onde minha cabeça inventou que é calmo, leve, livre e protegido. Sei que o meu Tibet ta aqui em mim, e não lá. Sinto que meu coração fica mais mole a cada dia e tenho medo dessa velocidade, porque daqui a pouco não saberei o que fazer com ele. Botar ele num potinho com tampa vermelha de morango com fitinha poá. Não me excluo da condição tosca que inventamos prá nós, mas tem horas que me envergonho de ser humana. Não tem nada a ver com partido, corrente político-filosófica, país, temeres, lulas, bolsomerdas, polícia, coxinhas, mortadelas ou salames... Nada disso. O buraco é mais embaixo. É mais profundo do que se imagina em cada um.

Achava que discernir, refletir, aprender, ler e criticar eram benefícios. Mas sinto que quanto mais faço isso, menos adaptada consigo estar, menos sintonia e paciência tenho prás egotrips perambulando por aí sem nem intervalo prum lanche e um cafezinho que nem tomo. Então leio mais e vou até onde consigo manter meu coração inteiro e em paz. 

Vamos fazer o dever de casa aí, minha gente. Porque se a gente não fizer, o macarrão vai ficar pior, ninguém vai aguentar o cheiro e não vai nem poder sair de casa prá tomar um ar. Era só isso mesmo que eu tinha prá dizer.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Luna Lu Lua Ciana



Pensamento inocente
Alma livre e brejeira
Gargalhada de criança
Fibra firme de guerreira

Calma boa de menina
Alegria de nanã
Raiz rio castanheira
Singeleza de romã

Pureza manhã de sol
Leveza de brisa vã
Luz de estrela e fogueira
Chaleira chá hortelã

Luna lu lua ciana
Flor de liz lima limão
Água lótus natureza
Irmã do meu coração





segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Perdeu o filho matado por engano e virou bruxa


Estava lendo Jodorowsky falando sobre os magos e curandeiros que cruzara seu caminho, seus ritos e fórmulas primitivas eficazes quando ela me cutucou para conversar. Ele tinha 16 anos, era muito querido por todos, deu sua mesada para o avô no interior do Pernambuco quando tinha 10 anos... Fez promessa prá ele aos 7 dizendo que voltaria para buscá-lo dali a 3 anos. E cumpriu a promessa. Voltou, mas não conseguiu levá-lo para São Paulo para perto dele e da mãe. Um policial o matou pensando que era outro. Foi um engano... Morreu por engano...Demorou mais de um ano prá ela se lembrar que não era um vegetal... Mais de dez anos prá conseguir ver um policial na rua sem sentir vontade de chutar, cuspir e amaldiçoar. Foi embora de São Paulo, desgostosa. Vendeu seu barraco a preço de banana e foi para Brasília. Foi vivendo, pequenina, magra, miúda, com olhos vivos e espertos... Voz forte e rouca, mas terna... Muito miúda mesmo. Recomeçou a viver pegando uma menina órfã para criar e por ela vive até hoje. Filha de um pernambucano de 88 anos e 22 filhos, Edilcéia transcendeu a religiosidade... Atende pessoas de todos os lugares em sua casa por suas faculdades curativas e videntes... Veio sentada ao meu lado no pau-de-arara de São Paulo a Brasília. Contou-me toda sua história, como reencontrou 18 dos irmãos após 30 anos longe, como descobriu uma irmã desaparecida pelo programa de rádio e como a casa do pai no interior parecia um acampamento, com colchões por todos os lados... Mais de 100 pessoas entre tios, irmãos, sobrinhos, netos, bisnetos, primos, todo mundo espalhado pelo chão numa alegria sem fim. Falou sobre perdão e perda... Sobre alegria e emoção... Sobre dor e morte... Sobre valor e Deus... Um dia bateu na sua porta um jovem bonito. Pediu que o benzesse e que trouxera um objeto para que benzesse também. Era uma arma... E ele... Um policial... Ela chorou, engoliu em seco e naquele dia perdoou prá sempre o assassino de seu filho e todos os policiais.... Entendeu naquele momento como a vida era passageira, e como o ser humano era frágil.... E como deveríamos nos amar e nos ajudar sempre, sempre... Eu escutando, muito quieta e respeitosa. Pegou minha mão e me disse que tomasse posse da minha vitória. E que acreditasse no valor do meu sorriso. E que não deixasse ninguém me usar de qualquer forma... Que cuidasse bem do meu coração... Que o meu tava guardado e que estava vindo muito em breve... Falou que guardasse a data, 03 de fevereiro de 2013. Minha vida nunca mais seria a mesma. As coisas começaram a mudar mesmo. Não dormi no pau de arara, tinha uma goteira no teto, na direção da minha cabeça, a poltrona reclinava bem pouco... Então vim refletindo, ouvindo música, pensando, olhando o céu... Minha coluna doía, mas meu coração tava confortado. Que mulher era aquela? Como me falara sobre coisas a meu respeito sem me conhecer? Disse que eu teria uma família linda e que via duas alianças, uma de ouro e uma espiritual... Que eu teria um sonho e que deveria procurar uma pessoa entendida prá me dizer o que significava... Esse sonho ia revelar meu destino... Que não tentasse mudar pessoas que estavam presas no mundo material... Que essa missão não era minha... Mas que quando amasse, que pedisse proteção para estar andando na direção certa. Que não caminhasse com minhas pernas, mas com as pernas de Deus... Que se sentisse vazio no coração quando estivesse com a pessoa amada, que isso talvez fosse Deus tentando me livrar de algo.... Que em sua visão, me via linda, toda produzida vestida de branco, olhando no espelho minutos antes de casar, lembrando dessa conversa com ela no ônibus. E que nunca desacreditasse na beleza do meu coração e na humildade da minha alma. Fiquei um pouco chorosa, mas tava escuro, de madrugada, não dava prá ver meu choro. Hoje me ligaram marcando um almoço de trabalho prá amanhã. Tenho muita gratidão por aquela bruxinha humilde, mulher forte, guerreira... Não sei se tudo que ela disse tem sentido, mas a força da sua fé me contagiou de alguma forma... "Toma posse do que já é seu Ana... Toma posse da tua vitória... Teu período de espera acabou." Gratidão.

Um norte, uma bússola, um mapa e uma comida quentinha ao cair do dia...



Se a sensação de não pertencimento aumenta, então você está mais próximo de encontrar a si mesmo. Realidades diferentes. Desejos diferentes. Quando penso que estou me livrando deles, sinto medo. E se eu quiser voltar? E se não der mais tempo de reverter? Anestesiada. Pronta para seguir adiante, sem sentir nada. Nem medo, nem coragem, nem vontade de chorar. Talvez esteja virando um zumbi. Viva, morta. Amigos distantes de vida cigana pregressa e itinerante. Um em cada canto do mundo. Enfastiada de hipocrisia. Só aguentando mesmo minha própria lisura de suportar a mim mesma, o que não é tarefa simples. Cumprindo minhas obrigações. Mas como é difícil viver sem paixões. Pelo que quer que seja. Como é duro entrar na forma e ser exatamente o que esperam de você. Quando será possível criar? Quando será que vai dar? Quando poderei voar novamente? Onde minha missão termina e começa minha liberdade? Desprendimento material. Muito necessário para se apegar e se manter no mundo. Ao mesmo tempo sem compreender bem em que momento exato minha mágoa com o ser humano cavara buracos tão fundos na minha alma. Por que sinto falta deles e também os odeio. Por tanta falta de cuidado. Por tanta falta de educação. Por tanto intrometimento e ignorância sobre a vida alheia e sobre as diferenças. Tudo o que um ser humano não consegue compreender vira repúdio, motivo de motim e de rejeição. E tenho um saco tão cheio disso que talvez tenha transformado essa chateação em um cristal de pedras que carrego no coração sem entender direito como consegui tornar isso tão duro e vivo. Faço o que me cabe da melhor forma possível. Mas se pudesse... Ah, se pudesse voar... Voar prá bem longe de mim. Onde não preciso ser eu ou qualquer coisa familiar. Se pudesse ter esse vazio no meu peito cheio de pedras banido. Virado em flor. E ver essa carência de conversa, de amigos, de amor, de sentido prá vida, de alegria de viver transformada em água correndo sem parar, indo encontrar o oceano infinito do nosso planeta particular imenso e miúdo como um grão de bico azul no universo. Onde é o planeta da inocência? Onde é o lugar onde o coração pode ser puro sem ser massacrado? Onde é o lugar onde um ser confia no outro como a raiz confia na terra? Onde a folha confia no sol, a estrela confia no tempo e o corpo confia nos pés? Se não encontrar seu lugar no mundo é porque você não é daqui. Veio apenas fazer uns reparos. Perdoar os outros. Perdoar a si mesmo pela imperfeição impregnada, dura, doida e doída. Aceitar e perdoar a vaidade de pretender dever acertar e fazer tudo perfeito. Ninguém pode ser isso aqui. E não evolua demais também, senão irá sofrer. Vá devagar. Vá sempre. Perenize o caminhar e viva no presente. Esqueça a lógica materialista, mas saiba entrar no jogo. Sobreviva, mas não viva. Aceite o que não é possível mudar. Considere lutar um pouco pelo que é possível. Saiba lidar com suas próprias imperfeições. Não tenha preguiça de si mesmo, nem da vida, nem dos outros. Não tenha preguiça de criar novos sonhos pra seguir e continuar caminhando. Faz parte do processo a utopia, a imagem do lugar alcançado. Faz parte do processo o não pertencimento. Faz parte da prova. Veremos se dessa vez você dá conta do recado. Sensação profunda de encontro honesto com o podre da natureza humana. Cansada. Queria um bar e amigos queridos rindo e seguindo juntos esses caminhos todos que a alma experimenta sem lembrar que um dia quis que fosse exatamente assim. Sem dicas, nem mestres para facilitar o processo. Só a alma e uma intuição tímida que diz que é assim mesmo e que isso passa. Querendo um norte, uma bússola, um mapa e uma comida quentinha ao cair do dia calejado de luta.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

A última gota




Que a ânsia de vômito não me corroa os nervos. Que o sol não resseque minha pele e meus cabelos. Que a lua não me ponha pra fora as vísceras. Que o tempo não me mate por dentro. Que a seca não me derreta o sangue e a bondade. Que o cerrado não me tire a umidade. Que a dor não me tire o foco. Que o trabalho não seque meus sonhos. Que a brisa não me limpe a mente. Que a vida não me deixe a deriva. Que o sonho não me tire as raízes. Que as raízes não me impeçam o vôo. Que o vôo não me tire o chão. Que o chão não me finque ao centro. Que o centro não me deixe alheia. Que o avesso não me abandone o meio. Que a sinceridade não me escape das mãos. Que minhas mãos sejam sempre vivas. Que meus dentes não destruam a si mesmos. Que minha descrença não seja eterna. Que minha alegria de viver renasça. Que meu peito respire aliviado. Que a beleza me renove a fé. Que o trabalho não mate minha esperança. Que minha esperança me cure o desamparo. Que o amor me inunde o peito. Que meu peito me permita o vôo. Que o vôo me permita ser.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Meu irmão



Leveza de alma de tulipa... Leve como a brisa que toca baixo o chão que precisa ser pisado. Voa centrado, com seu norte de amor e singeleza de ser... Humano. Alma pura de criança. Gargalhada de menino, arapuca de moleque, palhaçada de maluco, piripaque de vedete... Flor da pele sem frescura, sensatez e doçura, brilho no olho de quem vê muito além. Concreto sim. Etéreo também. Loucura muita. Ordem muita também. Tristeza nada. Tristeza... Que nada... Podem levar seus irmãos daqui, nada o fará desistir. Porque nosso tempo aqui é só um intervalo para o cafezinho na eternidade. E um dia estaremos todos juntos em um planeta onde o riso é pré-requisito para a seleção dos professores e as cores do ceú sempre estão lá, sem se misturar, fazendo do dia-a-dia um radiante espetáculo. Lá sempre tem música, dança, tambores, amigos, piadas, cachorros, gatos, árvores, tulipas, margaridas, rios coloridos, peixes, fogueiras, vento, sol e sorriso no rosto. Lá as cabeças se abrem e de dentro voam pássaros sambantes que nadam nas cores de arco íris do horizonte. Tristeza nada. Tristeza... Que nada... Pés de chão e coração de infinito. Gargalhador estrondoso de gracejos sem motivo aparente. Fazedor de corações felizes, de fidelidade canina e humanidade sincera. Nobre coração de leão, de monge, de amigo, de amante, de irmão. Meu amigo, meu irmão mais querido...Todos vamos nos encontrar nesse lugar espetaculoso de riso, coisas lindas e engraçadas. Quem for primeiro prepara a fogueira e a massa do bolinho de piracaí. Quem quiser pode fazer um macarrãozinho também, desde que não seja com muito shoyu... E nenhuma lágrima rolará se não for de alegria, nenhuma boca se abrirá senão para falar poesia, nenhum olho se abrirá senão para derramar sinceras brisas de pétalas de rosas para os ouvidos escutarem a vibração mais pura de cada coração... Tristeza nada. Tristeza... Que nada... Meu amigo, meu irmão de fé, morador do camarote do meu coração saudoso do teu riso cúmplice comprido e barulhento. No planeta azul ou fora dele, estaremos todos juntos em um instante.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Auto afirmação masculina


O cara passa uma vida inteira aprendendo a ser macho, a louvar seu falo como elemento de poder, status e virilidade e quando o corpo começa a falhar parece o fim. Ele entra em parafuso. Porque o envelhecimento do corpo tem um custo benefício, senão não haveria sentido algum em habitar essa terra. O envelhecimento do corpo é proporcional ao desenvolvimento da sabedoria, da alma. Nascemos ignorantes, pequeninos e chorões. Se a vida seguir seu curso natural, morreremos mais instruídos, envelhecidos, sensíveis e sábios. Afinal de contas, deve haver uma compensação aos efeitos da cruel lei da gravidade sobre os corpos. E aí, o apego ao falo e aos elementos representativos de poder a ele associados simplesmente impede o cara de se desenvolver, de ser mais inteligente e sensato. O cara fica estacionado no tempo. Quer cena mais horrorosa do que um quarentão ou cinquentão olhando menininhas de 15 anos com olhos de cachorro faminto? Quer cena mais ridícula do que o cara estar à frente de uma mulher e não conseguir se controlar, nem ao menos perceber se a pessoa está disponível a qualquer tipo de aproximação ou contato para avançar em cima dela, como se ela fosse um camarão empanado? Se o cara não consegue sequer perceber se há qualquer contato visual positivo recíproco, como passa pela cabeça desse ser que ele está liberado para invadir a zona privativa de outro ser? E que feio quando o cara ainda conta vantagens aos outros companheiros quarentões e cinquentões que arrasou no seu último encontro, não? Vergonha alheia demais da conta. O cara acostumado com as pequenas mentirinhas cotidianas... Muito triste. E a pior: o cara no supermercado com a esposa e filhos bicando as pernocas da mocinha estudante de direito, que tem a idade de sua filha do meio. Seria cômico se não fosse ridículo. São solteirões, pais, maridos das mais variadas castas e classes. O que acontece nessas cabeças senão um cíclico ensimesmamento compensatório de frustrações fálicas? Como homens prá lá dos quarenta não conseguem ainda, após uma vida inteira, compreender que o falo é um acessório que vai falhar um dia como a mente, a cabeça, as pernas e tudo o mais? Como não compreendem que estar com uma mulher não é condicionante para serem homens? Como não compreendem que importa à uma mulher o carinho, o respeito, a cumplicidade, a expressão do amor, a amizade, a  ternura? Como não sabem disso? Alguém precisará desenhar? Onde se escondeu a sensibilidade e a doçura? Onde foi parar a delicadeza, a poesia? E a ternura, onde se meteu? E a sensatez? Não entendem que a "careca aparece pro cérebro aparecer", como diria o poeta...
O charme dos homens mais maduros está na sensibilidade, na inteligência, na delicadeza e não no pulo do lobo faminto. Isso é feio, é ridículo, é triste e dá vontade de sair correndo de vergonha alheia. Se você está nessa fase e encafifado com a falha do seu aparelho que você imagina fazer de vc um homem, faça o seguinte: tente ser mais inteligente, menos egoísta, mais atencioso e mais sensível. Você notará que pode sublimar a  perda do seu potencial de performance na medida em que compreender que não precisa de um falo duro para ser homem, tampouco se portar como um cão faminto, sempre à espreita, sempre à caça. Os ganhos em sabedoria e sensibilidade fazem de você um homem. Os ganhos em honestidade e caráter fazem de vc um homem. Os ganhos em inteligência e humanidade fazem de vc um homem. Uma mulher de caráter não se interessa por lobos famintos. Compreenda sua alma. Cuide. Ame. Respeite. Não invada. O espaço privativo da mulher é liberado quando há cumplicidade e afinidade. Antes de olhar o corpo, olhe os olhos. Muito difícil? Compre um carro potente ou uma moto poderosa para dizer ao mundo que vc ainda funciona muito bem, obrigada.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

DORMÊNCIA


 

Alheia à realidade, me furto da complacência de estar sob o céu do sol... Preguiça de vida pequena... Obscura preciosidade... Como enxergá-la? Um estalo poderia fazer da luz um asterisco radiante de certezas... Como se a morte não chegasse aos meus pés nem quando sangrados, cobertos de lama de luta... Como se voar fosse um sonho possível para os anjos que talvez sejamos e fomos... Mas humanos não voam e pássaros não gozam.... Como se a pureza da asa fosse uma marca enterrada viva, esquecida no tempo por alguma liderança pessimista que matou a inocência. Odeio ter que combatê-la... Minha pureza, minha inocência, minha meninice... Coisa mais linda que carrego aqui comigo... Quero ser assim, não, planeta duma figa! E o prazer de viver, de gozar... Talvez seja essa a liberdade plena de sensações, prazeres, já que é dali que nasce toda a história... Quanto custa isso tudo? Não quero mais pagar essa conta. Cansada de pequenez de alma... Quanta invasão dentro do meu peito prá ser alguma coisa que pertença a algo concreto, duro. Que trabalheira. Como uma lasanha com gosto de fungo, como se o prazer enfiado ali tivesse o gosto de coisa antiga. Velha. Mórbida e sem esperança. Todo mundo tinha é que nascer com um dispositivo orientador de direção, um gps embutido na pele... Um gps da vida que dissesse em qualquer situação: "siga em frente", mas não siga como achar que deve. Nada disso. Essa história acabou agora. Siga esse caminho à direita que lá é bom. Vai te poupar da fadiga e os teus estarão te esperando lá com um feijão quentinho com farinha e uma prosa gargalhante pela madrugada adentro... Mas não encontro a direção... Viro cada vez mais uma guerreira resignada. Matando minhas paixões, meus desejos. Matando tudo que possa me causar sofrimento. Desapegando das coisas, das pessoas. E me sentindo sozinha. Não sei em que reino budista devo estar agora, mas se decidir ser uma monja, preciso estar nas montanhas e não aqui. Como certas marcas te cegam por tanto tempo a ponto de nunca detectarem onde é que a roda trava? Porque as bolhas não são translúcidas? Porque refletem o vazio que não dizem nada e que não podemos enxergar? Por que não encontro nada? Não sinto nada. Não rio muito. Não choro muito. Falo pouco. Ouço pouco. Como um zumbi que não sabe em que dimensão está. Certeza de nada. Só dúvidas... É isso o que o tempo traz? Quanta canseira. Coisas trazem sofrimento... A ausência delas também... Pessoas trazem sofrimento.... A falta delas também traz... Vontade de ir embora prá fora de mim e largar esse lamento chato que repete o mesmo tom enjoativo do sorvete de passas ao rum. Quero simplificar a vida e pagar prá ver se dou conta da minha mente e tolero minha própria presença. Só a dança do meu próprio corpo alivia minha mente sem graça, dormente, cansada de estar no lugar onde se enfiou sem saber e do qual não tem a menor ideia de como sair. Tão cansada...

terça-feira, 19 de março de 2013

Dai queijo aos pombos, menina...



Nunca voa a pena...
De gente que não voa...
De ave que avoa e não sabe...
Depenada... Delinquente...

Dai queijo aos pombos, menina!
Dai queijo aos pombos!
Que eles têm asas mas não sabem voar...

Castigo é não voar tendo asa avoada
Voar baixo bicando o queijo do chão...
Viver no asfalto sendo bicho avoado...
Deserdado... Descontente...

Dai queijo aos pombos, menina...
Dai queijo aos pombos
Que eles tão sós ainda não sabem voar

Pena dura, voa baixo, vida longa, vai atrás,
Lava a asa, leva o verso, vai sem medo, vê o cais

Vento cego, lê a brisa, varre o beijo, vem e vai
Invade o devaneio e voa grande, voa mais!

Dai água aos pombos, menina...
Dai água aos pombos
Que eles tão sós querem mais é voar

segunda-feira, 18 de março de 2013

MICROLAMENTO


Colaboração: Ameba de lagartas

                                      Fonte: http://www.pedal.com.br/forum/perigo-ou-nao-lagartas-nas-trilhas-e-estradas_topic27712.html

Todas andavam juntas. Como um macroorganismo de movimentos cuidadosamente sincronizados e rítmicos. Nado aquático aéreo. Coisa linda de se ver. Uma ameba de veludo gigante cor de caramelo subindo pro dossel de uma árvore no meio da floresta. Um grupo de dança de lagartas que em pouco farão a coreografia das borboletas. Não tenho imagem. Porque tenho a sensação de que perderia o aqui e o agora tentando achar um monte de botão. E talvez porque nenhuma máquina pudesse registrar a singeleza, a beleza, a perfeição e a simplicidade natural das coisas vivas. Coisa linda demais de se ver. Todas juntas, trabalhando em uníssono silêncio, como uma onda que precisa de cada gota d'água prá existir em movimento. Essência do coletivo. Espírito de sincronia. Imagem de colaboração e concentração rumo à sobrevivência comum. Aprende a ser lagarta, Homo sapiens sapiens...

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Amor de mãe


 Amor de mãe retalha a alma... Faz o choro vir fundo no peito... Querer não ser esta ou qualquer outra coisa terrena... Voar baixo... Seguir miúda de casaco peludo e comprido prá fingir que é urso e passar despercebida... Sorriso regrado e contido... Olhos tristes e distantes... Ensimesmamento doído de quem não consegue mais se desfazer da dor... A sofrência está na barriga e no peito... Sempre nessa região... A pequena abraça forte o ventre dizendo que não quer ir embora... O choro vem arranhando a garganta, comprimindo os olhos, inchando o peito... E desce sangrando, quente, espalhando dor a cada célula... Mas precisa refazer rápido a força e dizer: "meu amor, minha pequena, a gente precisa ficar longe mais uma vez"... Porque a vida tem dessas coisas... Essa falta de condições... Essa necessidade de matéria... Essa repetição de testes malucos que só quem sabe a razão é quem nos põe à prova... Não seria melhor chegar uma mensagem do além no seu celular com um boletim de desempenho na vida? Sou tosca, não consigo adivinhar coisas implícitas. Quer me dizer algo: diga. Preciso da senha, do mapa, senão fico patinando no mesmo lugar... Patinando sem chão. Quando a vida te tira o chão é um problema... E nada de reclamações, pois tudo corre o risco de ficar ainda pior... Esperar dias melhores é o que resta... E enfiar a cara nos livros prá ter um lugar ao sol com o mínimo necessário para viver bem e feliz, com as pessoas amadas sempre perto. Cansaço, um pingo de revolta, um monte de saudade, um tanto de desânimo e outro tanto de dor conformada e amor contido... Queria sentir um pingo de movimento no rumo dos acontecimentos prá essa série não ficar tão difícil e complicada. Queria não querer virar uma árvore, enraizada, sólida e perene, com os cabelos verdes voando ao vento, tomando chuva e sol... Queria querer mais vida... Queria querer ter fé... Mas hoje não posso... Hoje estou pequena. Hoje quero ficar só. Hoje quero não ser eu... Hoje peço licença para não ser... E só doer...

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Vão da valsa



 
Vão é vão
Valsa é vã
Vai em vão
Valsa vai
Vai em vão
Valsa vem
Vem o vão
Voa em vão
Vai e voa
Voa e vai
Voa em vão
Vão e voa em vão

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Dança do Ventre e Arte

"Dança do ventre é puro exibicionismo. Uma arte vulgar." Já ouvi essa frase algumas vezes por aí. Quando não é anunciada literalmente, soa nas entrelinhas de um "não gosto muito de dança do ventre", aliada a uma cara de nojo e uma expressão bem pejorativa como se fosse uma arte inferior, vulgar ou uma "não-arte". Imagino que pessoas que tenham esta visão ignorem o quanto uma mulher precisa estudar e transcender obstáculos internos e externos para obter uma dança fluida e simples. A jornada é longa e certamente traz inúmeros benefícios para o corpo, para a mente e, principalmente para a alma. Estou no meu caminho, tentando chegar lá. Aonde minha alma possa voar sorrindo e meu corpo traduzir alaúdes, flautas, violinos e derbakes com amor e sinceridade. Com público, sem público. Simples assim. É complicado ser simples. Mas complicar... Ah, isto sim é bem simples de fazer. A dança do ventre liberta o corpo de muitas amarras e expressa a natureza feminina ao mundo, tão massacrada ao longo da história humana. Para afirmar a natureza feminina e legitimar o espaço da mulher no mundo não é preciso provar à sociedade machista que a mulher desempenha qualquer função masculina com destreza e habilidade (com exceção dos trabalhos braçais, é claro). Isto não é nenhuma novidade, convenhamos. Também não é inteligente apelar para a sensualidade como a última bolacha recheada do pacote. O componente sensual da dança é indiscutível, e, cá prá nós, que poeta não cantou a beleza da sensualidade de uma mulher? Seja pelo olhar, pela ternura, pela força, pela maternidade, pelas curvas.... O que seria do planeta sem as mulheres? Não seria. A dificuldade de ser mulher na atualidade consiste em conciliar a natureza feminina mais pura e simples - e acredito que a sensualidade esteja incluída neste pacote - com todas as funções cotidianas e "verticais" que toda mulher independente precisa desempenhar. Díficil assumir nosso lado "mulherzinha mesmo e daí" com a verticalidade compulsória que o mundo exige como um grito forte no ouvido de mães, avós, solteiras, comadres, viúvas, separadas, casadas, tias, professoras, engenheiras, atrizes, advogadas, médicas, astronautas e bailarinas... Quem é vertical demais vira um poço de frieza e racionalidade. Quem apenas sonha não consegue pisar no chão e caminhar. Então, mulheres de todos os biotipos, idades, formas e personalidades: Dancem, pelo amor de Deus! Ignorantas de plantão: curem seus complexos e traumas antes de criticar quem cultiva a flor no deserto. Esta é uma arte milenar, feminina, pura, digna e legítima como qualquer expressão artística.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

O guardinha da Dilma e a seca


Derretendo no meio daquele uniforme pesado e hostil, o guardinha da Dilma está bem ali, parado em frente à rampa do Palácio do Planalto debaixo do sol quente. Clima árido, poeira seca no ar, grama marrom queimado ao redor e... as obras insanamente belas e viscerais de Niemeyer em meio ao sertão de concreto. Tudo arde em setembro. Ouvi dizer que o sertão vai virar mar. E o mar... lavará a seca dessa terra fria, vendida, automática, compulsoriamente burguesa e... seca. O guardinha não tem pretensões: obedece porque seu trabalho escraviza e aprisiona. E aprisionado por aprisionado, já está ali naquele corpo de carne mesmo... Uma camisa de força a mais ou a menos não trará grande diferença. E olhando bem, seu uniforme até que é bonito... Seu chapéu é um pouco grande para sua cabeça, mas protege seu ralo cabelo do sol. Protege a careca também. Então ele passa seus dias e meios-dias debaixo daquele sol para proteger o palácio da presidenta da república. Ás vezes sua pressão cai, então ele sonha em pé, no seu uniforme enfeitado. Sonha que está na beira do Araguaia, com seu próprio barco de pesca e seus anzóis, esperando as bocadas de algum pintado comprido... Mas o sonho vem e vai rápido... É o tempo do colorido que os olhos enxergam voltar ao normal. Ele não pode desmaiar. Então trata de prender a respiração bem forte e soltar de uma vez, numa tentativa de pressionar a circulação da cabeça... Pensa que nada pode fazê-lo desmaiar, nem mesmo a baixa pressão, nem mesmo o sol, nem mesmo a secura, nem mesmo a fome, nem mesmo seu barco de pesca no Araguaia... "Sou muito importante aqui, fazendo o que faço, sendo o que me disseram para ser." Então ele se atenta para os carros que passam e procura adivinhar para onde aquelas pessoas estão indo nas suas correrias diárias... "O velho senhor do caminhão azul deve entregar móveis e aquele carro blindado deve ser de algum senador. Aquele outro amarelo que parece um disco voador deve ser do filho de algum deputado, indo para casa de um amigo celebrar a sexta-feira. Aquela mulher no carro prata estava chorando, dirigindo rápido. Talvez estivesse indo para casa... Ou fugindo dela... Talvez tivesse perdido algo ou alguém. Talvez estivesse sentindo dor de dente ou dor de alma mesmo... Quanta tipo de gente passa aqui na minha frente, cada qual dum jeito, cada um com seu destino... Fiquei assim com um aperto no coração ao ver aquela mulher chorando. Mas ao menos suas lágrimas abrandaram um pouco a poeira seca desse sertão de cimento. Ao menos algo vivo sai desse concreto armado, belo, insano e árido do setembro candango. Ao menos tem algum... ser... humano... vivo... nessa seca desse planalto sem fim." E prende novamente a respiração. Ainda faltam quatro horas para acabar seu plantão seco.

sábado, 2 de julho de 2011

Gralhas e Migalhas

Ora grande... Ora pequena... Às vezes o respeito pelo ser humano nos proíbe a alma de fazer qualquer crítica, qualquer correção... Mas existe uma forma de se comunicar sem que haja equívocos intencionais aparentes. Olhar nos olhos do interlocutor mostra o intuito, revela o jogo. Mas não é qualquer olhar à toa, não. Tem que ser aquele olhar de alma de irmão que não demonstra outra intenção senão a que é perceptível ao invisível. Não há engano. Dúvida tampouco. Isso é tão maravilhoso e confortável porque o que move o andar da civilização é a dúvida... E a dúvida ao mesmo tempo que impulsiona traz uma imensidão de possibilidades e de meias-verdades... É tão bom ter atitudes que não falham... O repeito ao outro não falha. Ser humano não falha, nunca, nunca... Por mais que existam possibilidades de recebermos em troca o desrespeito e a ignorância, pode-se ter a consciência tranquila de que usamos a docência em benefício comum. Mas mostrar o olhar não mostra necessariamente a intenção. Mostrar o olhar que sente intenção realmente revela qual é a intenção. Não tem balela, conversinha fiada, diplomacia, boa vizinhança. Só respeito pelo outro. Pré-requisito básico à sobrevivência com as gralhas que se matam por algumas migalhas de pão e por um lugar ao Sol. O Sol nasce prá todos, mas há aqueles que querem seu brilho todo prá si. Afinal, prá que servem as migalhas se todos trilham um caminho que dará em um lugar melhor ao final? Não digo isto por convicção religiosa, político-partidária ou filosófica. Apenas porque meu coração acende uma luz quentinha toda vez que sou mais gente com qualquer gente. Queria correr o mundo conhecendo gentes, apesar de sempre me esconder delas quando sinto que meu respeito não foi retribuído, ou quando sou tão tola ao ponto de não perceber maldade, inveja e malícia vinda de uma gralha qualquer... Daí me recolho até que uma boa ação em minha direção me prove que apesar de todos os percalços, é preciso paciência e sabedoria com as gralhas... Porque não aspiram nada mais do que migalhas... Que se matem por elas... Mas se um dia precisarem de mim, contem com minha solidariedade e com meu mais sincero olhar de respeito. Não por serem gralhas, mas por carregarem potencial de serem gente. Isso é tudo que posso oferecer atualmente por enquanto... Isso é tudo que aprendi. Interações entre minhas experiências e fracassos, constatações, medos, alegrias, amores, desamores, loucuras e saudades. Antes meu olhar era de menina. E agora continua sendo. Não brigo por migalhas. Mas em minha direção, só quero olhar de alma.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

A medida do tempo

Só falta descobrir como é que se vive de sonhos... Assim como quem toca indiferente uma estrela, sem sentir o poder do seu brilho. Não seria esse astro o responsável por uma miraculosa mudança? Por um surto instantâneo de rememoração existencial? Vi Maria com o bebê em cores violetas de neon na aurora celeste em Janauacá. Certamente nunca mais seria a mesma. Mas ainda tinha a carne. Sabia que precisava a ela pertencer por algum sopro de momento na infinitude do tempo. Mas que um dia nada disso mais seria necessário. E os tais elos que nos prendem a este mundo... Parece que aí os nós estão emaranhados. Ter paciência significa perder a noção de tempo terrena sem voar alto. O tempo corre diferente em cada tipo de veia. Mas parece inevitável aprender a compartilhar a mesma noção de tempo. Simples questão de compartilhamento condicionado. E há incompatibilidade nestes ajustes quando as energias são muito distintas. Cada cabeça, um universo. Mas sem disciplina em direção aos ajustes comuns, nada feito. O tempo aqui no planeta é um só. Para a adaptação, para os ciclos biológicos, para a agricultura, para a saudade, para os pássaros, para a dor e para a paciência. O tempo deve seguir uma escala padronizada em todas as cabeças de carne, para que este momento no infinito seja, de fato, compartilhado. Para que o aprendizado seja autêntico e eficiente. Nada de ficar em uma bolha, não, nada disso. A bolha protege, mas isola. Então talvez não tenha como fugir da ordem natural dos terráqueos. Ordem naturalmente transgredida, transposta por ideais de plástico... Mas ser um pouco de plástico talvez funcione como estratégia de sobrevivência de compartilhamento de tempo. Sem ser um pouco plástico, como conviver e compartilhar o tempo comum? Os pensamentos são traiçoeiros ao caminho do meio, porque ao mesmo tempo em que latejam em nossas cabeças de carne a existência de um ideal maior, nos incitam à convivência pacífica com seres destrutivos, egoístas, imediatistas e vergonhosamente materialistas... Idéias de cunho econômico baseadas no consumo e na imagem. A tal crise da racionalidade humana contemporânea que amplia guturalmente a coisificação das pessoas e de seus propósitos... Depois de mais esta crise histórica coletiva, o que estará por vir? Se houver prosseguimento lógico na história da humanidade, após o colapso emergirá um período de trégua e de introspecção reflexiva. Talvez haja colapso maior. Talvez os ajustes do tempo se dêem pelo esforço de uns em abandonar de uma vez a estupidez impregnada e de outros em exercitar a paciência de aguardar o despertar alheio para caminhar sem amarras, mirando o horizonte. Sacrifício dos atentos pelos alheios. A questão é quando exatamente os alheios despertarão? Quando a paciência dos atentos for infinita? Por que a evolução dos toscos depende de sacrifício dos sensatos? Vou fechar meu corpo. Cerrar meus olhos. Tocar as estrelas do meu céu de neon, onde não existe plástico. Só algodão e brisa da manhã no rosto e nos cabelos. Sentirei minhas mãos livres. E minha cabeça de carne será apenas uma cabeça de vento, brilhando em meio a brisa amadeirada das estrelas cor de carmim.

domingo, 29 de agosto de 2010

Amor X Ego



Por que é que gente tem medo de amar? Medo da entrega, medo de enxergar que o outro não é o responsável pela própria felicidade? Medo de estar subjugado? Medo de estar aquém ou além? Medo de ser dominado? Medo de ficar com cara de bobo achando o amor o ser mais lindo do planeta? Medo de acordar de manhã enroscado no outro, de cabelo desgrenhado e olho inchado, sentindo o quentinho da pele e o cheiro natural do sono? Medo de uma noite maravilhosa ao som de uma música romanticamente brega? Medo de amar ser uma coisa meio ridícula? Medo de deixar o coração dominar a mente? Medo de cair e de se machucar? Medo de ceder? Medo de admitir as falhas? Medo de perceber que uma briga não é um duelo e que um recuo ou um ataque de beijos pode solucionar grandes problemas? Medo de sofrer? Afinal de contas, qual é o nosso problema? Por que lutar tanto contra o amor? Nosso ego deveria andar numa coleira, ao nosso lado, sob constante controle. Porque ele existe para garantir o amor-próprio e para isso deve nos acompanhar. Somente. O ego é uma merda porque exclui as possibilidades de transformação da alma e fortalece as muralhas de aço que vamos construindo ao redor de nós mesmos para encobrir as feridas da vida. E ainda reclamamos da falta de amor... Se quando ele bate à nossa porta tratamos de expulsá-lo veementemente em uma afirmação de absoluta dispensabilidade, inutilidade e estupidez. A covardia humana me assusta. E me entristeço em comprovar, mais uma vez, que nosso ego vive a travar uma eterna e estúpida guerra contra o amor.

Esconderijo



Vou me esconder. Fechar esse portão e pendurar um pano do exército de fora a fora prá ninguém enxergar minha perna lá da rua. Não tô em casa. Não tô prá ninguém. Gosto dos animais, de ver as formigas carregando as folhas verdes. Ganhei um cachorro, dei banho, tirei os carrapatos, escovei e fiz uma comida caseira prá dar de almoço. Mas a vizinha reclamou que ele latia demais. Tive de mandar embora. O cachorro foi embora. Meu filho também foi. E agora não posso mais cozinhar. Ele não podia esperar um pouco mais? Minha barriga dói e coça quando lembro que ele era eu. Nasceu daqui de dentro dessa barriga. E agora se foi. E agora não posso mais fazer comida. Como vou fazer feijão com essa dor que nunca pára de latejar aqui no meu peito? Como posso sorrir sem uma fita adesiva grudada nos cantos da minha boca? Como se sorri quando a dor é funda assim? Não gosto de gente. Só de bicho. Um dia arrumo minhas trouxas e fujo daqui. Fujo prá uma caverna. Vou juntar um dinheiro e fugir. Só o suficiente prá chegar no meu esconderijo. Vou cuidar dos cachorros, das plantas, dos gatos e dos papagaios. Não quero ninguém que é gente perto de mim. Porque gente é bicho ruim. E essa dor ainda pulsando aqui dentro... Onde estará meu filho, meu pedaço de minha alma? Onde estará agora que Deus decidiu levá-lo prá longe da vida? Prá longe da mãe? Meu filho, que a luz da manhã te proteja e que toda a natureza conspire para que tua natureza livre e criativa continue a brilhar perto das nuvens, dos bichos e do planeta por onde estiver agora. Ajuda tua mãe a sarar essa dor, meu filho! Ajuda porque não resta muito de vida na gente quando o sorriso se vai. Ajuda, filho, porque o quintal da tua mãe vai fechar. Vou botar um pano do exército de fora a fora prá espantar os clientes. E prá dizer a Deus que eu tô aqui escondida na caverna que inventei. Esperando te ver entrar barulhento pela porta com orquídeas e bambus que achara no mato, cheio de idéias prá enfeitar nossa vida...

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Maria Joaninha...


Joana é uma menina linda! Forte couraça, grande coração! É de menina o seu coração... Incompreensível a capacidade de caber tanta gente e amor num coração só... Grande mulher... Cidadã planetária, conterrânea de Júpiter com breve passagem pela Terra na imensidão do tempo e espaço infinitos... Lampejo de luz, alegria e vida! Chuva de meteoros como um dragão de fogo no céu... Imponente representação de grandeza de alma e pequenez de tolerância com a hipocrisia humana... Que espécie de criatura nos tornamos, criador? Não, não!!! Pára tudo! Pára esse mundo agora que Joana tá sofrendo... Sofrendo a falta das almas nobres e distantes, íntegras e singelas, puras de mente e livres de coração... Mas não há singeleza... Não agora... Porque um dragão quando se zanga pode queimar e soltar faíscas... Mas pode amar como ninguém jamais amou... Ah, minha Joaninha, irmã querida... Fica triste não... Quisera poder te pegar pela mão e pegar carona num meteoro errante desses qualquer no espaço a caminho do nosso planeta... Quisera ter metade da tua capacidade de amar indistintamente... E de ser tão honesta com a vida e seus princípios... Há de ser uma grande personalidade onde quer que vás... Mas lembra sempre, Joaninha, que a Terra crescerá com tua passagem. Não esmorece jamais! Porque um mundo muito bom e justo existe em algum lugar... E não há nada tão efêmero quando a vida na Terra! Fica em paz na tua essência! Porque algum dia... Voltarás prá casa, de todos os lugares, do agora e do sempre, cheia de alegria, estrada e histórias para contar!

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Rir... Razão de viver....: O mundo é dos espertos...

Rir... Razão de viver....: O mundo é dos espertos...

O mundo é dos espertos...



Tudo se dissipa ao vento quando o assunto é mais profundo... Nada mais temeroso que o próprio eu... E não tente instigar o confronto... Poucos estão preparados... Poucos assumem os riscos... Poucos querem o real... Poucos querem o espelho que mostra a imagem visceral e pegajosa da carne... O externo é mais bonito... Mais tragável e, veja: Não sou muito mais bonito assim? Veja, meus olhos são lindos, azuis como o céu e mistificam minha alma... Pode olhar através deles... Vc não verá minha alma, mas a alma que quero que vc veja... Esse é o jogo. Assim é a vida. O mundo é dos espertos e bem sucedido é aquele que engana com a maestria de parecer sincero. Use a lógica! Assim é o mundo. E é melhor que vc aprenda a jogar, porque não há lugar prá inocência e ingenuidade. Não há lugar prá entrega. Não há lugar pra burrice. Não há lugar prá amar. Não seja burro! Esteja sempre alerta e engane, dissimule sempre, onde estiver... Porque o mundo é assim... O mundo... é dos espertos.
OBS.: Quero registrar aqui minha mais recente decisão: estou me transferindo prá Júpiter.

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Depilação

Ao chegar em meu prédio reparo que abriu uma loja de depilação e imediatamente lembro dos esquecidos pêlos crescidos que já mereciam eliminação há algum tempo. Deixei minhas tralhas em casa e desci para me depilar. A loja estava fechada, com a janela semiaberta. Dei umas batidinhas no vidro para me certificar de que não havia ninguém... Nada... Quando me viro para ir embora uma bendita senhora de seus trinta e poucos anos (como eu, aliás) me aparece de repente na janela com uma cabeça benevolentemente escandalosa e um sorriso de plástico assustador dizendo: 'Olááááááááááááá"! Dei um pulo e me voltei ressabiada. Ela se desculpou pelas portas fechadas, mas como não havia aparecido nenhuma cliente naquele dia, ela resolveu fechar a porta (também não entendi...): "Mas já que vc apareceu, entre!!" - se não estivéssemos em 2010, diria que quase escutei um "nhééééééééééc" de porta de castelo mal-assombrado após a sentença. Diante do clima sombrio e da estranheza do lugar, digo quase por um instinto de sobrevivência que poderia voltar outro dia, que não queria atrapalhar, enfim... A senhora gentileza prontamente responde que será um grande prazer em atender me puxando pelo braço e gritando com a boca pro interior da loja: "Janeeeeeeteeeee! Tem cliente prá vc!!". Respiro aliviada, já que não seria depilada pela senhora gentileza do sorriso de plástico assustador, quando me aparece na porta do corredor a Janete. Uma alemã de quase dois metros de altura, cabeleira crescida até a cintura, bigodes, óculos, jaleco, luvas cirúrgicas e aparelho. Senti manifestações estomacais da minha última refeição, mas o que eu era afinal: uma mulher ou um rato? Janete me perguntou o que eu ia depilar com o timbre e a velocidade de seu conterrâneo Adolf Hitler, e eu disse instantaneamente em resposta: "Axila, meia-perna e contorno, senhora!!" Ela deu um irônico sorriso metálico de volta: " Ótimo! Vc já utilizou a cera egípcia?" Respondo que não, mas que se fosse quente tudo bem. Do Egito... Deve ser boa afinal... Ela abre a cortina de entrada do corredor e me conduz até a cabine dizendo: "Vc vai adorar!" Com um frio na barriga me deito na maca e digo que não vou mais querer depilar o contorno, só a perna e a axila. Ela franze as sobrancelhas e o bigode em um nítido questionamento e digo que melhor não, vou esperar mais uns dias, não está tão ruim assim... A contragosto, Janete vira-se de costas em direção à estante de artefatos macabros depilatórios e... Em um silêncio mortal, sob as gélidas luzes brancas fluorescentes vejo a silhueta da alemã passando a espátula na tal da cera egípcia e levantando o braço como quem levanta um punhal... Eu, de suvaco em riste, dou um pulo na maca e vejo seu movimento congelado no ar: "Você está passando bem? Aceita uma água ou um café?". Digo que não, obrigada, que foi apenas um soluço... Que poderia prosseguir... Neste momento lembro-me apenas do calor da cera em meu suvaco e do suor escorrendo pela minha testa, bigode e barriga (não necessariamente nessa ordem) e solto um uivo de pavor e pânico!! Ela pula prá trás raivosamente assustada: "Nossa, vc está meio nervosa, hein? A cera está muito quente?" Dou uma risadinha sem graça e digo que "Não, imagina! Só um pouco aquecida demais, não é?" Ela limpa o suor de seu bigode, puxa um banquinho e diz: "Então vamos aguardar um pouco!"... Silêncio infinito... Nenhuma pergunta prá quebrar o silêncio me vem à cabeça, então fecho os olhos e finjo que estou muito concentrada em mim mesma... Ela quebra o silêncio enrolando a espátula na cera pegajosamente quente e levanta novamente o braço como quem pica cenouras para um ensopado. "Agora deve estar no ponto!" - diz decidida. Lasca-me então a espátula no suvaco direito com a cera caramelizada deixando mil fiapos pelo ar e imediatamente tenta resgatá-los (os fiapos), como quem se livra de moscas... Fico estupafata olhando a alemã degladiando-se com a espátula em riste e os fiapos de cera egípcia no ar, vendo pouco a pouco sua cabeleira se tornando um verdadeiro turbante de cera. "Meu Deus!" - penso com meus botões - "Essa moça vai virar uma múmia e meu suvaco a Mata Atlântica! Preciso sair daqui!". Então interrompo a batalha dizendo: "Olha, Janete! Não precisa mais depilar minha perna, não, tá bom? Eu nem ligo prá depilação na perna, só queria mesmo era salvar o meu suvaco. O que me diz?" Ela vermelha, suada e ofegante diz: "Ah, não! Agora que já comecei, vou terminar, né? Quero dizer... A gente aqui tem muita experiência na área e gosta de fazer tudo com calma, devagar e bem feito prá satisfazer nossos clientes, a senhora me entende, né?". Elevo pedidos de paciência ao meu Santo Guerreiro Expedito e sucumbo covardemente: "Ok, Janete. Vamos terminar." Janete, a estas alturas de turbante, jaleco, aparelho e óculos egipciamente encerados, troca a espátula pela pinça e começa a puxar os fios remanescentes do meu suvaco, fazendo a gentileza de me beliscar a cada puxada de pêlo. Imaginei que na Idade Média esta deveria ser uma boa estratégia de tortura. Já estava perdendo a paciência quando ela dá por finalizado o serviço suvaquesco. "Agora as pernas" - diz ofegante e quase satisfeita, para meu sofrido alívio... Troca a pinça pela espátula, enrolando-a na gosma egípcia e quando vai retirar a espátula do pote, voa um naco de cera quente na minha coxa e na saia. Dou um pulo e ela imediatamente se defende: "Ai, me desculpa! Às vezes acontece essas coisas, né? Hehehe!" Agora a vermelha e suada de raiva era eu e digo que estou com pressa, que preciso ir embora e ela diz que terminará tudo em dois minutinhos mais. A mesma ladainha do suvaco se repete com as pernas, cera quente demais, beliscos com a pinça, fiapos de cera egípcia voando pela cabine e por fim, uma solução de álcool gel para fechar os poros. Só me lembro de sentir tamanha sensação de ardência quando dormi na praia há alguns verões passados... Já tava quase mandando a Janete ir passear na Alemanha ou no Egito, fazendo bom uso da gentileza, começo a me calçar para ir embora resignada, porém depilada (que tristeza), quando a senhora gentileza enfia a cabeça grande e benevolente na cabine perguntando: " E aí, gostou?" A alemã me olha de soslaio e digo que está tudo bem agora. Eu e minha solidariedade ridícula... Vai que a alemã perde o emprego, enfim... Saio da cabine com raiva, doída e triste, pergunto à senhora gentileza na recepção de quanto foi o prejuízo e vou embora de suvaco armado deixando-a com uma ficha de cadastro por preencher na mão e uma cara de interrogação no sorriso assustador.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Serpente Multicor

Serpenteando entre meus pés molhados na poça uma cobra multicolorida tenta me dizer coisas importantes. Ela fala, mas não consigo ouvir o eco de seu movimento, tampouco o som da sua intenção... Tento sacudir meu véu colorido para me comunicar e avisar da falta de recursos sensitivos para detectar sua idéia, mas sinto... Que nada que eu faça conscientemente pode me fazer perceber... Então fecho os olhos e deixo-me vagar livremente pelos toques de seu corpo nos meus pés cansados. E assim, de olhos fechados, bem devagar, começo a sentir a água fria carinhando minha pele, limpando meu ímã de energias terrenas que me dissipam e me partem a alma em diversos cacos... Zilhares de caquinhos multicores que se espalham no ar em círculos seguindo o ritmo de uma música de alma... Ficar em cacos é movimento da alma... E movimento também a fortaleza, o carnaval, o velório, o futebol, a raiva, o desprezo, a ternura, a compaixão e a margem... Então começo a escutar o chocalho da cobra multicor num ritmo frenético, vitral e circular... Um mantra de sons e sensações vitrais coloridas e metálicas que me enviam a uma mandala virtualmente dinâmica... E assim então, meus cacos se alinham conforme o corpo da serpente... E me vejo em outra poça d'água... Carinhando outros pés... Despertando sensações em outros zilhares de cacos multicores de alma.

domingo, 1 de novembro de 2009

UM EMPURRÃOZINHO NO SEU SORRISO


Quem disse que os japoneses não têm senso de humor? Essa comédia japonesa me fez explodir todas as lâmpadas de casa. Filme de 1997, do diretor japonês Kôki Mitani.

Para baixar, basta clicar no link abaixo.

TORRENTE E LEGENDA

(Atenção: é preciso ter instalado o programa utorrent)

Se está difícil rir, talvez esse filme ajude, pois o que ri com ele daria para iluminar todo o Distrito Federal durante quatro dias. Trata-se de uma comédia francesa deliciosa do diretor James Huth, produzido em 1998.

Para baixar, basta clicar no link abaixo.

TORRENTE E LEGENDA

(Atenção: é preciso ter instalado o programa utorrent)

terça-feira, 11 de agosto de 2009

A título de marolice: acho que sou um E.T

Anh.... A marola da mesmice... Como são fartas as possibilidades de se entediar com as conquistas e o enquadramento... Tudo tão fútil e mecânico. Tudo de plástico. Sem vida... A pior das invenções foi a etiqueta e as boas maneiras. Uma coleção de regras para excluir a vida real, o sangue, o vento nos cabelos e a música. A vantagem que há nisso ainda não consegui descobrir, mas é certo que a exclusão afirma a sensação de poder e superioridade de uns sobre outros... Comportamento um tanto quanto peculiar ao ser humano... Apesar da ciência disso, às vezes ainda me culpo por questionar tanto essas coisas e me sentir tão alheia ao mundo dos meus semelhantes. Acho que sou um E.T. Só queria mesmo era descobrir o telefone da minha casa...

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Mulheres maravilhosas!!!

A fundadora da Casa do Índio em Oriximinã me disse que ela não se aposenta porque gosta de trabalhar e porque se deixar o cargo, os índios choram... Engajada na luta pela causa indígena há 30 anos, ela diz que a lição mais importante que aprendeu no convívio com as diversas etnias foi a necessidade do ser humano de aprender a ouvir. Temos dois ouvidos e uma boca... Os índios sabem ouvir e assim adquirem sabedoria. Ela tem filhos, netos e idade, mas não se aposenta... Tem energia e paixão pelo seu trabalho... E prefere assim... Viva, ativa, lutando pelo que acredita... Linda, de bata vermelha indiana com flores bordadas e um coração maior do que olhos podem expressar... Ivânia tem 51 anos e cara de 35. Inacreditável!! Descolada, bem-humorada e idealista, trabalha no Sistema Único de Saúde há vários anos e participa ativamente de diversos movimentos sociais locais. Diz que sempre questionou as injustiças sociais, sem saber bem o motivo e que o primeiro reflexo desanimador de sua inquietação se traduziu aos 19 anos de idade, quando recebeu um abaixo-assinado do pequeno município onde trabalhava (e reclamava seus direitos com notoriedade) pedindo a sua transferência de cidade... A não-hipocrisia incomodava... E como! Valdimara quem o diga! De espírito forte, livre e marcante, acompanhou as causas sociais desde que se entende por gente e ainda adolescente queria porque queria entender que raios significava o tal do comunismo do qual tantos maldiziam e perseguiam... Mas ninguém respondia... Não se podia responder... Por um lado era bom que fosse assim, caso contrário ela teria se enfiado em uma guerrilha dessas muito nova, em nome do povo, dos excluídos e do bem geral da nação... Cinquenta e seis anos, cara de trinta e oito. Longas madeixas cacheadas, um senso de humor e alto-astral de dar inveja a qualquer psicólogo políticamente correto. Psicóloga, mãe de uma filha e dona de uma enérgica e grave voz que nunca se cala. Assim como estas três pérolas que tive o imenso prazer de conhecer, diversas mulheres maravilhas desse naipe estão por aí pelo mundo a mostrar a verdadeira essência da alma feminina. A força e a sensibilidade que o mundo pôde ver após anos de batalhas pela igualdade de gênero, que parece ser destruída cada vez que uma bunda dura de uma dessas mulheres-abóboras aparece na tv, parece triunfar silenciosamente enfim. Pena que isso não é notícia de tv, nem aparece nos programas de auditório. Pena que a imagem seja o valor do novo milênio. Pena que as verdadeiras mulheres estejam anônimas, dentro de hospitais, escolas, repartições públicas, ônibus e pelo mundo afora. Pena que nossas mulheres maravilhosas estejam assim, disfarçadas... Mas para alívio de minhas angústias femininas coletivas, elas são de verdade!
P.S.1: Para preservar a integridade das mulheres citadas no texto, criei nomes e lugares fictícios. O resto (o que interessa) é tudo verdade.
P.S.2: Digitei no google imagens "mulheres maravilhosas" e só apareceu melancias, abóboras e afins.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

VAGALUMES... PIRILAMPOS...

Céu de pirilampos, dentro do quarto da casa flutuante de madeira... Solimões... Lamacento, bravo, misterioso... Grandioso... Sacolejo de água e barulho de grilo... Noite silenciosamente barulhenta... Quantidade de vida ao redor amedrontadora... Medo confortável... Medo bom... Tanta vida Deus do céu... E a gente também é vida... Então tudo é uma coisa só agora... Todos na mesma barca... Pensamento limpo, vivo, desperto... Lucidez... Consciência de grão de areia... Humildade... O amor existe realmente... Alguém está por trás de tudo isso... Não há mais dúvida... Nunca mais haverá... Certeza absoluta temporária... Poeiril... Volátil... Mas certa, soberana, plena... Por segundos.... Um céu particular homenageando o desvelar do maior segredo e o despertar infantil da fé... Simplicidade... Meu peito dói de arrependimento em algum dia ter ousado duvidar da plenitude da simplicidade... Da singeleza do olhar... Da beleza de um céu de vagalumes piscando só prá mim, escondida nos lençóis gelados naquele colchão plastificado e úmido. Cada respiração sonora e presente, cada passo, cada folha seca, cada vôo de peixe, de inseto, de pirilampo... Como são lindos meu Deus... Como imitam direitinho o céu... Constelações sinuosamente dançantes, rítmicas, transcendentes... Queria tê-los assim, numa caixinha prá levá-los aonde quer que fosse, tendo a certeza de que nunca perderia esta sensação na memória de meus esquecimentos... Maldade boba... Mas prá se ter paz será que é preciso fazer uma maldadezinha também? Queria fechar os olhos e voltar lá... Pegar minha canoa e sair a noite prá ouvir a sinfonia da mata... Pura... Plena... Soberana... Queria voltar prá esse colchão plastificado de onde arranquei toda minha fé... Toda minha alma... Viva, madura, certa, segura, corajosa... A mata é corajosa e assim aprendi a ser... Queria voltar lá. Viver lá... A gente precisa de tão pouco prá viver... Dói isso aqui... Por que nos distanciamos tanto da beleza das coisas... Da simplicidade da vida... Vagalumes dançando no teto... Vou voltar lá um dia com minha filha e mostrar a ela o lugar onde tudo faz sentido... Onde tudo se encontra... Onde a fé nasce e o arrependimento corrói as veias do coração, não deixando nenhum sangue ruim passar prá nossa cabeça nos fazendo duvidar da singeleza, da simplicidade e da beleza da vida... Um dia... Novamente... Aqui dentro... Vagalumes... Pirilampos...

sábado, 25 de abril de 2009

O QUE NOS RESTOU?

O que é mais confortável? O que faz mais sentido prá vc? A correria cotidiana talvez remeta a pódiuns de status materialmente privilegiado para alguns... Para outros tantos não concede status, porém alivia as carências materiais e proporciona o justo gozo de pequenos prazeres, ocasionalmente... Para uns isto é suficiente. Para outros isto é mecânico e vazio... Mas o que importa o quão cheia de espaços vazios está a vida humana? Desde que a existência se tornou essencialmente o ato de reproduzir o que foi aprendido pelas gerações anteriores, pouco importa os mistérios da jornada humana no planeta e o sentido da existência. E isto realmente não tem muita importância no dia-a-dia. Do ponto de vista científico, houve grandes avanços nas descobertas de fósseis que comprovam nossa ancestralidade essencialmente negra, nas pesquisas de curas para epidemias e patologias crônicas; na velocidade de disseminação de informações, nas telecomunicações, na alta tecnologia de exploração do espaço extra-terrestre... Do ponto de vista psicológico, ponto do qual me atrevo a dar alguns pitacos por ser assunto de meu interesse e curiosidade de longa data, o inconsciente coletivo parece agir de forma magistralmente mecânica. A maioria dos dias são muito parecidos e o tempo vai passando com o reforço de nossa pequenez e impotência diante da sistemática da vida... Pensava que a vida não era assim, sistemática... Achava que poderia ser feliz um dia, plantando batatas, salsa, cenoura e alface. Vivendo da terra. O que mais nos seria tão mais necessário? O ser humano criou uma série de artefatos, coisas e costumes tão arraigados em nossas cabeças que perdemos nossa essência. Perdemos a relação temporal com o planeta, a relação de claridade e escuridão, a relação de pertencer ao planeta como criatura, como ser vivo.... De pisar com os pés descalços no chão e sentir a terra entre os dedos. De sentar embaixo de uma árvore e se sentir abraçado e protegido. De tomar banho no rio e sentir o cheiro dos minerais e ver as cores dos peixes... De ouvir o canto dos bichos e saber que horas são... De conhecer o formato da copa das árvores e isso ser uma referência de localização, tanto quanto uma placa de trânsito... De perceber a presença de algo ameaçador pelas costas por simples aproximação... Parece que nossos instintos nos traem o tempo inteiro... Nos enchemos de coisas e mais coisas o tempo inteiro... Sufocamos nossa alma com troços, informações, coisas e só o que nos retorna é uma vida vazia, com propósitos vazios, vagos, sem sentido... Emburrecemos. No decorrer de nosso aparecimento neste planeta fizemos uso de nossa inteligência, descobrimos a roda, a pólvora, a luz elétrica, as microondas, o foguete e a internet... Provamos ao mundo e a todas as criaturas o quanto somos bons e inteligentes. Homo sapiens sapiens... E agora... Toda nossa pressão parece ter esgotado enfim a capacidade de suporte do planeta... Sentimos calor quando deveríamos sentir frio, ou mais frio do que deveria, chove muito onde antes não chovia, onde deveria chover não chove... Onde tinha planta, tem concreto e onde ainda não há concreto, certamente, em breve haverá... E na cabeça de um cidadão simples, comum, pode às vezes vir como um lampejo de lucidez, um questionamento incidental sobre seus verdadeiros propósitos... Mas, o que é verdadeiro? Nietzchie se remexerá no além tumúlo ao ouvir tamanha idiotice, afinal, não existe verdade. Mas creio que, essencialmente, de alguma forma, deve existir algo que é de fato uma representação de nossa origem e do que deveríamos fazer bom uso por simples sensatez. Nossa origem é comum a de todos os seres, então o que nos distancia tanto da simplicidade da vida e das coisas? O que fizemos com a nossa existência? Por que viramos essas criaturas-coisas e nos enchemos de objetos? Podemos tentar sair dessa correria desenfreada que criamos e desacelerar nossos passos... Poderíamos tentar voltar ao campo, voltar à mata e lutar contra o andamento do mundo inteiro... Não seria tarefa fácil e aliviaria esta crise de propósitos de forma pontual... Antes, é claro, de sermos completamente rechaçados do ambiente natural pela fragilidade de nosso organismo. Definitivamente, não é assim que caminha a humanidade. Então poderíamos parar de correr e continuar a sobreviver nas sociedades que criamos... Ficar num marasmo com toda a demanda de informações e bombardeio de consumo relampeando nossas cabeças por todos as direções, tempo e espaço... Estaríamos fora da jogada... Porém cheios de ideais. O negócio seria conseguirmos ser felizes assim, cercados, por todos os lados, em todos os lugares, durante todo o tempo... Não vejo muitas alternativas e é com pesar que aqui declaro uma sensação de perda total... Perda da consciência, perda de motivos, perda de perspectivas e perda de esperança. Só não perdi ainda a vergonha. É tudo o que me resta. Talvez o que haja em comum a todos nós, mulheres e homens contemporâneos, independente do tipo de vida, ideais e crenças, seja apenas nossa solidão...

terça-feira, 24 de março de 2009

O EVANGELHO SEGUNDO SALATIEL



Sara casou com Abraão
num dia de santo rei.
Três dia após o casório,
Gandhi recebeu um e-mêi,
onde Agar comunicava
que a patroa emprenhada
deu a luz naquele mês.

Três reis magos lá chegaram
montando uma bicicleta
e entoando a marselhesa
sua canção predileta.
Quando avistaram Abraão
entregaram a saudação
do Saci, príncipe de Creta.

O rei D. Pedro levou
pra criança um banzai,
pra Sara um espartilho
e de presente pro pai
uma maquete da bastilha
que ele comprou em Brasília
na feira do Paraguai.

A criança era Jesus,
virtuoso e ativista.
Aos treze fugiu pra Cuba
pra se tornar comunista.
Transformava gato e boi,
e vinte anos depois
foi fichado na polícia.

Mas fugiu para o Brasil
no lombo quente d'um burro,
disfarçado de judeu,
cabelo grande e barbudo.
Quando apeou no sertão
botou pra correr o cão
dos arredó de Canudos.

Graduou-se à distância
em Oratória Funesta.
Perseguindo a vocação
fez um curso pra Profeta,
botou um roupão de 'nhagem
sem jóia, sem maquiagem,
sem riqueza e sem cueca.

Fez fama nas redondezas
pelas coisas que falava
dentro da mente de todos
seu perfil se agigantava.
E em sua prosa segura
o povo viu a figura
do Messias que esperava.

No sermão em Chorrochó,
mais de mil gente se aninha
ao redor do santo Cristo,
entoando ladainha,
pra ouvir que a terra dura
há de virar rapadura
e o pó virar farinha.

Falava ao povo pobre
que o mundo se escafedia,
que sobre o Cocorobó
a lua despencaria,
e a cabeça do pagão
entre as meada dum pão
o diabo comeria.

Um cangaceiro chorava
Abraçado ao seu fuzil
numa emoção tão grande
que chega a fome fugiu.
Nesse dia um aleijado
levantou emocionado,
mas o coitado caiu.

E a fama de milagreiro
Pelo sertão se espalhou.
Diziam que em plena seca
no céu azul trovejou,
e que apareceu nos galho
das árvores um orvalho
quando o santo espirrou.

Alguns levavam nas costas
uma grande cruz de enfeite,
outros cingiam na testa
um pouquinho de azeite.
Nesses dias de emoção
foi tanta fé no sertão
que choveu café-com-leite.
.............................................

[Fragmentos extraídos do cordel O Evangelho Segundo Zé Limeira, de Salatiel Ribeiro]

domingo, 2 de novembro de 2008

domingo, 26 de outubro de 2008

C a b r a V a l e n t e



Vou contar o meu valor
por ser extraordinário,
e dizer meus possuídos
por ser também necessário.
Se de repente eu morrer,
quem ficar pode fazer
bem feito meu inventário.

Primeiro eu quero contar
o quanto sou valentão,
quando entro numa luta
é triste a situação:
faço a maior bagaceira
no fim saio na carreira
levando as calças na mão.

Eu já entrei numa briga,
foi um serviço pesado,
lutei com mais de cinquenta
e nem me vi apertado.
Veja o que me aconteceu
tanto o povo me bateu
como eu saí apanhado.

Uma noite eu fui ouvir
certo tocador de fole
na volta encontrei um bicho
e o peste quase me engole.
Numa carreira danada
cheguei com a calça pesada,
escorrendo um mingau mole.

Já briguei com um guerreiro
de fama reconhecida,
eu me debati na espada
foi uma luta renhida.
Detonei um granadeiro
e somente com o mau cheiro
a luta foi decidida.

Nunca temi valentão
sempre fui peso pesado,
nunca encontrei um barulho
para me deixar de lado.
Uma vez lá no sertão
fiz parar um caminhão
mas fiquei arrebentado.

Andei num navio de guerra
tempo de revolução,
o navio entrou em luta
eu me escondi no canhão.
O artilhero chegou
sua peça detonou
e eu sumi na amplidão.

Lá em cima nas alturas
eu gritei: arre diabo!
fui cair dentro dos mares
dessa vez quase me acabo.
Digo sem pedir segredo:
me borrei todo de medo,
mas sou um sujeito brabo.

(Extraídos de Teres e Proezas, Enéias Tavares)

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

A MORTE DO PORCO ELIAS NARRADA POR DEUS

Então tudo recomeça.... Quatro horas de luta, dor e desespero... Corre, meu filho! Foge, grita, tenta, tenta, tenta, Elias! Tenta, Elias! Luta, Elias! É inútil... Tua vida não te pertence... O que fizeste para receber tantos golpes de objetos pontiagudos e cortantes, Elias? O que fizeste para ver teus filhos observando teu corpo dilacerado em frangalhos? O que fizeste para nascer porco? O que fizeste para nascer porco, Elias? Vai, Elias, foge! Grita, foge, grita, chora, sofre... Vai morrer, Elias! Faz teu último protesto! Teu último pedido, Elias! Arrepende-te, Elias! Vai, rápido, antes que te matem todo! Antes que te acertem o cérebro. Diz, Elias, o que quererá de mim, teu Deus, na hora do fim que a ti designei? Diz, Elias. A mim, que acalmarei tua dor e tua agonia, que sentirei contigo teu último suspiro, que verei tua carne nos pratos mastigada por homens e cães... Ainda não acabou, Elias... Vai, corre prá direita agora, vai, Elias! Isso, Elias, por baixo da porteira, empurra com o focinho que cede... Vai, Elias! Luta! Vai, está quase! Olha prá trás que quase o caboclo te decepa o lombo! Acorda, Elias! Tá na hora de morrer, meu filho! Vai....... Assim...... Pronto...... Elias? ........ Pode me ouvir?....... Sente teus miolos pelos ares.........Arejando...... Pipocando........ Rodopiando....... Em órbita..... ao redor dos teus filhos.... Vê, Elias.... Que triste tua trajetória.... Não passa de um fantoche meu, Elias... ..Abaixa a cabeça pro teu Deus.... Junta teus miolos e pede perdão prá quem sempre te bateu de braços abertos..... Prá quem sempre te consolou com uma rasteira..... Prá quem sempre te afagou a cabeça com espinhos..... Prá quem sempre saciou tua sede com fel... Prá quem sempre te fez sofrer porque te ama..... Sabe quem é teu Deus agora, Elias? Pensava existir dois contrários..... Pensava sermos um no céu e outro no subterrâneo, não é mesmo? Vem, que teu Deus vai te consolar agora...... Teu Deus que te odeia e que te ama, que te fere e que te cura, que te morde e que te beija, que te vive e que te mata...... Vê, Elias: teu Deus em um só...... Deita-te em meu colo prá que eu te corte a alma em postas pro jantar..... Já é tarde..... Te amo, meu filho querido...... Descansa em paz.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Engenho D'alma

Banda brasiliense que surgiu em 2001 e, depois de um brevíssimo canto, extinguiu-se como um anjo talmúdico na presença do Criador




"...a nostalgia dos dias olvidados" S.R.

sábado, 21 de junho de 2008

"Já perdoei erros quase imperdoáveis, tentei substituir pessoas insubstituíveis e esquecer pessoas inesquecíveis. Já fiz coisas por impulso, já me decepcionei com pessoas quando nunca pensei me decepcionar, mas também decepcionei alguém. Já abracei pra proteger, já dei risada quando não podia, fiz amigos eternos, amei e fui amado, mas também já fui rejeitado, fui amado e não amei. Já gritei e pulei de tanta felicidade, já vivi de amor e fiz juras eternas, “quebrei a cara muitas vezes”! Já chorei ouvindo música e vendo fotos, já liguei só para escutar uma voz, me apaixonei por um sorriso, já pensei que fosse morrer de tanta saudade e tive medo de perder alguém especial (e acabei perdendo). Mas vivi, e ainda vivo! Não passo pela vida… E você também não deveria passar! Viva! Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é “muito” pra ser insignificante."

Charles Chaplin